Escritório Contábil RM Tiete

R. Jorge Tibiriçá, 280 - Jardim Bonanza - Tietê / SP | CEP 18530-000

(15) 3285-1709 / (15) 3285-1709 | contato@rmcontabiltiete.com.br

Publicado em sexta, 18 de junho de 2021

ECONOMIA - Índice de estoques sobe 1,7% em junho ante maio

O Índice de Estoques (IE) do varejo paulistano avançou 1,7% em junho ante maio, após cair 1,6% no mês anterior, mostram dados da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Com 100,8 pontos, o IE chegou ao maior nível desde março, quando marcava 102,9 pontos. A alta foi de 8,2% em relação a junho de 2020 (93,1 pontos).

A proporção de empresários que consideram a situação de seus estoques adequada subiu de 49,3% para 49,9% na comparação com o mês anterior. Entre os que consideram inadequada, 36,3% veem um estoque acima do desejado, após 35,6% em maio. A porcentagem de varejistas que consideram o estoque abaixo do adequado, por sua vez, caiu de 14,6% para 12,8%.

O avanço de junho ante maio teve influência significativa de semiduráveis, que subiram 13,8%, depois de queda de 3,8% em maio. O nível de adequação saiu de 32,0% para 36,1%, enquanto os que consideram os estoques acima do desejado permaneceram em 38,7%. Já os varejistas que veem um estoque abaixo do adequado caíram de 27,1% para 22,2%. O índice em semiduráveis chegou a 74,4 pontos, o maior desde março (78,8).

SEGMENTOS

O índice também registrou alta (1,8%) nas empresas pequenas da cidade de São Paulo. No segmento, a percepção de estoques adequados subiu de 48,9% para 49,6%. A percepção de estoque acima do adequado aumentou (36,0% para 36,7%), mas a avaliação de estoque abaixo do adequado diminuiu (14,5% para 12,7%).

Já as empresas de bens não duráveis (0,0%) registraram estabilidade de maio para junho. Os varejistas que consideram os estoques adequados ficaram em 57,1%, e os que veem acima do adequado subiram de 33,7% para 34,6%. A percepção de estoques abaixo do adequado, porém, caiu (9,2% para 8,3%).

Os únicos setores com queda no mês foram as empresas de grande porte (-0,4%) e as de bens duráveis (-1,5%). A percepção de estoques adequados caiu de 64,3% para 64,0% e de 54,4% para 53,3%, respectivamente. A proporção de empresários que consideram o estoque acima do adequado variou de 17,9% para 18,0% nas empresas de grande porte, e subiu de 33,9% para 35,1% nas de bens duráveis. Estoques abaixo do adequado, por sua vez, subiram de 17,9% para 18,0% e caíram de 11,7% para 11,1%, respectivamente.


Fonte: Diário do Comércio

Escritório Contábil RM Tiete

Venha fazer uma parceria de Sucesso! Encontre em nossa empresa tudo o que precisa.

Mídias Sociais

Interaja conosco pelos nossos perfis e saiba de todas as novidades.

Desenvolvido por Sitecontabil 2020 | Todos os direitos reservados